Pesquisar neste blogue

domingo, junho 28, 2009

Agora, em Salto

No dia 27 de Junho, às 16.00, no Ecomuseu de Salto, fiz a apresentação deste livro que já apresentara na Biblioteca Lúcio Craveiro da Silva. A convite da Dra Isabel Lima Leite, filha da autora. Deixei lá as lágrimas pelo amigo Borralheiro, falei com uma fixação na sua memória, das conversas que ambos tínhamos sobre o livro e sobre a ideia que o livro transmite sobre o lugar: Rogério, andei próximo daquela ideia que conversei contigo, a da culpa, a de nos sentirmos obrigados a escrever sobre a nossa saída do paraíso, não falei da culpa naquele sentido de pecado, mas naquele sentido de necessidade de merecer a recompensa: a terra que te viu nascer, aquelas casas em que fizeste as tuas aprendizagens, aqueles campos de trabalho e de diversão, aqueles objectos de uso, estão todos dentro do museu, também lá estás tu e lá está o nosso amigo Castanheira, na voz de texto orientador, e o senhor Tito e mais amigos e conhecidos. O presidente da Câmara esteve à altura do teu merecimento e prometeu perpetuar-te naquele espaço. Fui-te ver, eu e a Tininha, lá te cantei.
Fiquei a conhecer o João Azenha, director do Ecomuseu. Todos estivemos à altura do acontecimento, na nossa dimensão absoluta de humildade face às memórias e às palavras que ali se desataram. O Orlando pareceu-me orgulhoso da obra feita, a directora da Biblioteca também. A doutora esteve presente, provavelmente sentiu-nos ocupados e interessados e eu recordei o carinho que tinhas por ela. Apesar de tudo, a Casa do Capitão reergueu-se à altura das outras Casas. Tudo vai mudando e nós parecemos crianças na vastidão dos lameiros.

(Agradeço a fotografia ao R. M. de Montalegre que tem o cuidado de me enviar as imagens dos eventos realizados no município. Obrigado.)

2 comentários:

Sílvia (hoje é...) disse...

..."nós parecemos crianças na vastidão dos lameiros." Que saudades...
Bem haja.

Bela disse...

È e será para sempre na memória de Salto uma figura incontornável o meu tio Rogério e você Zé Machado é sem dúvida uma das pessoas que tenta manter a memória dele sempre viva.
Agradeço.
Sabe Zé Trabalho no Museu de Mação e á dias um Sr. ligou para cá a pedir referência sobre os Castros e castelos do Concelho para uma publicação. No meio da conversa ele disse-me sabe! eu até tenho referências sobre o castelo de piconha lá em cima; veio-me logo á memória o tio Rogério, se é que ele me sai da memória.
Eu disse: é uma publicação de Rogério Borralheiro, não é?
isso mesmo diz o Sr., ao qual eu respondo um pouco comovida é meu tio...


Anabela Borralheiro.