Pesquisar neste blogue

domingo, novembro 19, 2006

Deveres de ofício

De 14 de Out. a 18 de Nov. - Aos sábados, curso de formação sobre a TLEBS (Terminologia Linguística para o Ensino Básico e Secundário), na FAC-FIL, com o professor Doutor Augusto Soares da Silva, um investigador da linguística cognitiva. O curso veio na hora, a matéria arrasta-se em polémicas nos jornais, com muita gente a reagir contra a renovação do corpus terminológico gramatical e este a precisar de mais estudo e de mais investimento nas escolas, escolas onde alastra uma desmotivação pedagógica nunca vista, alimentada pelo ME, tão desastrado a pegar fogos como a querer apagá-los, incapaz de se consciencializar da necessidade de uma didáctica para as mudanças que pensa implementar. Os intelectuais que têm vindo ao terreiro lançar farpas contra a TLEBS têm contribuído, apesar de tudo, mais para a sua continuidade de estudo: Carmo Vieira destrói e não constrói, mas leva-nos a duvidar de que esteja certa; Alzira Seixo problematiza e estimula mais o estudo; Graça Moura anda cá e lá, perde-se em cautelismos e em estratégias de edição e de Palops, mas incentiva sempre a que se prove melhor o que se quer atacar; Prado Coelho alerta para a pragmática, mas o caminho já anda a ser trilhado há muito; Álvaro Gomes demora a encontrar uma resposta e ele até poderia dar soluções no interior dos novos suportes científicos que estimulam a mudança; gostei do artigo da professora Assunção Caldeira Cabral, hoje dia 19 de Novembro, no DN; faço minhas as suas palavras.

Terças e Quintas - Desde Outubro, eu e a minha mulher estamos na hidroginástica, na piscina da Casa Sacerdotal, das 18.00 às 19.00 horas, uma actividade em simultâneo que só tem trazido vantagens. Boa ideia!

Terças, à tarde, das 15.00 às 17.00 - Gaita de foles, aprendizagem e treino, como Paulo Pirata Petulante, assim mesmo, galego quase a chegar aos trinta, monge budista na aparência, músico de formação popular e clássica, instrumentista de eleição. Uma oportunidade há muito desejada, vou ver se aproveito bem, sem a pretensão de chegar longe, mas de me ser útil a mim próprio que sempre tive a ideia de tocar umas gaitadas. O grupo de aprendizes pode ainda crescer, mas é motivado e motivador.

Quintas, das 15.00 às 16.00 H - Na Biblioteca Lúcio Craveiro da Silva: histórias para os miúdos, tenho de as contar senão esqueço-as e depois não as poderei inventar no futuro. Já me viciei em precisar de histórias.

Quintas, das 21.00 horas às 23.00, ensaios da Associação Cultural e Festiva «Os Sinos da Sé» na Escola Francisco Sanches, um grupo a que pertenço desde 1978/79, dedicado à música folclórica minhota, mas também de estudo e de animação. Ando por lá a puxar a carroça, ainda não desanimei e tenho trabalho até mais tarde, mas gostava de ver mais gente nova a entrar, até com o desafio de outros instrumentos e de outros sons que foram fazendo a nossa tradição de músicas e de cantigas e que não deveríamos deixar esquecer. Pena que a pontualidade não seja a regra e que alguns andem a desmoer, mas é de aguentar, ainda dá prazer e a festa é apreciada por outros que gostam de nos ouver.

25 de Outubro - o Duarte, nosso sobrinho, fez 10 anos. Anda também na minha escola, no 5º ano, já tem memórias na caderneta escolar, questões de estilo pessoal e de acomodação ao grupo; é de si próprio um rapaz com graça e com poder de criação. Estou para ver, mas espero bem que seja sempre ele a descobrir-se.

1 de Novembro - No cemitério, a visita aos amigos e familiares que nos enchem a memória de bons momentos e de boas lições de vida. O tempo recompõe-nos, a vida consolida-nos.

14/11/06 - Conselho Consultivo do Theatro Circo: fui convidado a fazer parte, aceitei-me a representar a música de tradição oral, o folclore, a cultura popular, «programas» eventualmente possíveis nesta Casa de espectacular renovação. Numa contemporaneidade que já se preocupa sempre com a sua auto-representação popular, o caminho parece facilitado: por lá deverão passar todas as artes da tradição e todas as tradições de arte, com a qualidade crítica julgada por quem de ofício, que é para isso que recebe, e na sua responsabilidade há-de estar, certamente, o dever de saber ouvir.

19 - feira de campo - Sábado, fomos a Raiz do Monte visitar os pais, eu e a Tininha, assámos lá umas castanhas em forno de lenha, fizemos um arroz de polvo, fomos a Jales visitar amigos e conversar, fomos ver o novo supermercado que abriu nas Alminhas. Minha Mãe está mais pesada e menos, menos, móvel, mas conversa bem; meu pai parece ter voltado a ser quem foi: falador, cáustico de causas e de homens, sobretudo de quem governa, adepto emotivo do FCP, leitor de jornais, preocupado. Na viagem ouvimos o «Ligação Directa» de Sérgo Godinho, com agrado.

Amanhã é outro dia para continuar como hoje e como ontem, semana a semana, nesta teimosia de prestações. A escola ocupa agora mais o tempo, menos bem, mas mais, e o tempo mal ocupado pesa mais nas costas. Soube notícias de nosso afilhado, as coisas parecem estar a correr melhor, a recuperação está a instalar-se.

3 comentários:

António Machado disse...

Dudas:
Ok, gostei, mas escusavas de dizer que tinha memórias na caderneta escolar...Lol

Rita Santos disse...

Bom dia,
Ao pesquisar no google na tentativa de encontrar alguma informação ou contacto sobre a hidroginástica na Casa Sacerdotal, o único sítio onde vem mencionado é aqui no seu blog. Se não for muito incómodo poderia enviar-me o contacto?
Agradeço desde já a atenção dispensada,
Rita Santos
(tequinhas@hotmail.com)

Anónimo disse...

Sim, provavelmente por isso e